sexta-feira, 23 de junho de 2017

Vídeo: 2º Arraiá de Alex Cn Bike foi sucesso



Foi realizado nesta quinta (22) a segunda edição do "Arraiá do Alex Cn Bike", no bairro João Fon Fon. Show's musicais, comidas e bebidas típicas, concurso de quadrilhas juninas e muita animação marcaram a noite de festança. Mesmo com chuva, os foliões não paravam de dançar e a folia durou até a madrugada. A equipe do Blog Sul Bahia Notícias esteve presente registrando cada momento.

Confira o vídeo:



Anderson Souza
Jornalista - MTE 0005584/BA

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Sul Bahia Notícias na cobertura do São João e São Pedro 2017



A equipe do Blog Sul Bahia Notícias estará presente nos principais festejos juninos de Canavieiras. De 22 de Junho a 02 de Julho, estaremos realizando a cobertura jornalísticas de vários eventos com o "Arraiá Sul Bahia Notícias". Na quinta feira dia 22 de Junho acontece o 2º Arraiá do Alex Cn Bike, de 23 a 25 de Junho será realizado o "Arraiá Ser Humano" na praça Maçônica e encerrando os festejos do período tem o São Pedro no bairro Jardim Burundanga, realizado de 30 de Junho a 02 de Julho.
Todas as emoções destes eventos serão destaque em nosso Blog, com vídeos e postagens diárias. Acompanhe nossa página e não perca os detalhes desses eventos.

Anderson Souza
Jornalista MTE 0005584/BA

Hoje tem forró no arraiá de Alex Cn Bike



Os amantes do forró podem conferir hoje o 2º Arraiá do Alex Cn Bike na praça do colégio Rotary, no bairro João Fon Fon.Show's musicais, quadrilhas juninas e muita diversão  farão parte desta grande festa junina. A programação musical conta com as apresentações de Thiago Camargo, Morena Flor e Ariedson. " Hoje a nossa gente vai poder dançar e brincar ao som do forró e outros ritmos e ainda apreciar um maravilhoso concurso de quadrilhas", lembrou Alex Cn Bike, anfitrião do evento.
A praça dr. Demerval Gusmão foi toda ornamentada para receber os foliões que forem brincar e apreciar essa grande festa.

Anderson Souza
Jornalista MTE 0005584/BA

São João da Praça Maçônica começa amanhã





O tradicional São João da Praça Maçônica tem início nesta Sexta (23), a partir das 18:00h. Com o título de "Arraiá Ser Humano", a festança promete muito forró durante os três dias de festa.
Os foliões poderão desfrutar de toda infraestrutura de um típico arriá junino, com bandas, apresentação de quadrilhas e barracas com comidas e bebidas típicas, uma festa para se curtir em família. Com a realização da Prefeitura Municipal de Canavieiras, através das Secretarias de Turismo e Cultura, o "Arraiá Ser Humano" tem em sua programação a apresentação de onze bandas que prometem animar o público. Para Naldão do Marisco, organizador da festa, manter a tradição é fundamental para disseminação da cultura popular. " Esse ano o arraiá da praça maçônica tem a realização da Prefeitura Municipal, mas não deixei de estar na organização, pois já estamos a muitos anos nesse evento. A importância de se manter essa tradição é justamente para que o povo, principalmente os mais jovens, possa reviver e sentir o verdadeiros espírito das festas juninas", Disse Naldão do Marisco. 
Com início sempre previsto para as 18:00h, o "Arraiá Ser Humano" tem a seguinte programação :

Dia 23/06:
Silfarley - Forró da Lua - Paulo Camargo & Daniel Costa

DIA 24/06:
Ariedson- Léo Sobrinho- Verônica Costa - Flor do Cacau

DIA 25/06:
Neto Fernandes - Junior Santêr - Gero Lima - Risco de Amar

Durante todos os dias de evento haverá apresentação de quadrilhas juninas.


Anderson Souza
Jornalista - MTE 0005584/BA

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Vídeo: Câmara reprova contas de Almir Melo



Após mais de 05 horas de sessão, as contas referentes ao exercício financeiro de 2015, sob responsabilidade do ex-prefeito de Canavieiras, Almir Melo, foram reprovadas pela maioria dos vereadores. Por 07 votos a 04, a maioria do vereadores optou por seguir a recomendação do Tribunal de Conta dos Municípios (TCM).
A defesa do ex-gestor, feita pelo Dr. Manoel Guimarães, não conseguiu convencer os vereadores a votarem pela aprovação das contas.
Veja o vídeo:


terça-feira, 20 de junho de 2017

ONDE TEM ONÇA, MACUCO JÁ PIA por Fernando Volpi

Demorei muito para entender e
aceitar que cada minuto de meu tempo será sempre um minuto a menos. Pode ser um minuto aproveitado ou um minuto desperdiçado. 

Grande parte de meus artigos publicados em centenas de sites e mídias impressas regionais, desde 2005, aborda sob variados enfoques essa questão do tempo que se ganha ou se perde dependendo das escolhas, das atitudes, das ações bem planejadas. Há o que pode esperar, há o que não pode esperar. Dentre o que não pode esperar está sem dúvida a busca da excelência na prestação de serviços como um dos principais atrativos e diferenciais do destino turístico emergente. Tento, com apoio do Sebrae (que sempre me estendeu a mão) e do gestor público (que nunca me bloqueou), e ainda com a colaboração de alguns colegas secretários em diferentes graus de interesse, introduzir no trade turístico noções claras de como se capacitar para concorrer com os destinos turísticos já consagrados e não muito distantes. Uma penca de vezes estiveram aqui conceituados técnicos do Sebrae e de outras instituições. Um deles afirmou, em tom de advertência, que o turismo só se desenvolve se o conjunto de equipamentos for suficientemente adequado, com pessoal capacitado e qualificado. São eles: hospedagem, bares e restaurantes, agências e operadoras, meios de transporte, lojas de suvenires e as demais atividades comerciais ligadas direta ou indiretamente à atividade turística. Para ser do trade turístico, o gestor, o agente e demais atores devem transmitir conhecimento, alegria, satisfação com o que fazem, agilidade com eficiência e atendimento com excelência. Alguém chegou até mesmo a afirmar que eu me repetia, no que estava certo, certíssimo. Diante das melancólicas circunstâncias era – e ainda é – preciso repetir, na linha do “água mole em cabeça dura tanto bate até que mata”, após mais de uma década de inatividade na gestão do turismo, interna e externamente, cuja recuperação de imagem requeria – como ainda requer – divulgação concentrada e capacitação sobre o Destino Canavieiras sem maquiagem, sem sofisma.

Mas, ao trabalho de proa desenvolvido pela Secretaria de Turismo deve corresponder uma simultânea reestruturação local naqueles setores envolvidos com o desenvolvimento: o público, no que lhe compete e segundo seus conceitos de tempo e prioridades; o privado, no que lhe convém. Na verdade, meus artigos anteriores (interpretados por alguns como carapuças)são eloquentes estímulos para a ação na expectativa de um consenso, de um comprometimento maior e mais coerente com a atitude empresarial, o que infelizmente ainda não aconteceu, salvo por atitudes pontuais e isoladas do conjunto. Houve até perdas expressivas que podiam ter sido evitadas com intervenções mais iluminadas. Alguns empreendedores ainda se satisfazem com o que já conquistaram empiricamente, sem considerar que podem crescer com novas técnicas. Apesar de tudo, me mantenho lá na proa, tentando recuperar centros emissores que perdemos pela desorientação e divulgando a cidade para outros e novos segmentos , enquanto descrevo prováveis novos roteiros e opções turísticas além da sedentária “Sol & Praia”. Os novos roteiros apenas dependem do setor privado para se transformarem em produtos. Nossa região (e as fotos provam isso) oferece ao empreendedor uma variedade incrível e enorme de opções de investimento em lazer e novas experiências turísticas. O empreendedor visionário entra com a inovação. Eu, com a visão. Uma visão lá da proa, quando procuro transformar dificuldades em oportunidades e experiências em possibilidades. São essas experiências de campo que quebram o gelo, já que a omissão criou um gigantesco iceberg entre as demandas e as conquistas, congelando também as iniciativas setoriais e o entusiasmo empreendedor no trade local.

Ainda repercute na cidade minha tempestiva reação diante de um exemplo simplista e de duvidoso sentido, citado por um técnico em treinamento , sobre ‘relacionamento com o cliente”. Foi exatamente da ambiguidade na intelecção, pelo numeroso público presente, daquele infeliz exemplo de relacionamento com o cliente que decidi analisar melhor os conceitos do trade turístico sobre esse tema, o que me inspirou a intensificar abordagens claras e francas resumindo a prática de relacionamento com clientes (turistas e moradores com a mesma dedicação), não no sentido de paparicá-los ou se antecipar à escolha com sugestões inusitadas ou baseadas no hábito, mas no sentido de servi-los com elegância, igualdade, alegria, simpatia, higiene, criatividade e rapidez, além do sorriso do jeito que a Bahia gosta.  Mas, felizmente, antevejo um semestre com novas opções de capacitação, qualificação e atualização do empresariado, em eventos que já estão sendo planejados pelas instituições compostas de representantes do setor privado. O trade se mobiliza, sai da toca. Isso me alegra e motiva que permaneça lá na proa, certo de que, finalmente, na retaguarda, a propulsão acelerará o avanço da comunidade embarcada na esperança e na confiança em sua própria força. Cabe repetir, e repetirei sempre, que os destinos turísticos não são avaliados apenas pela paisagem e pela gastronomia sedutoras, mas também e principalmente pelo impacto dos seus serviços qualificados e ajustados às regras do mercado competitivo. Quando o trade turístico se convencer de que pode ser melhor do que realmente é, estará apto a receber o SEBRAE, estará pronto para confrontar os problemas da cidade ao invés de cegamente confrontar as pessoas nos diferentes e polêmicos setores da sociedade, privados ou públicos.  Enquanto me restarem força e paciência,  lhes direi: não basta ser apaixonado pela cidade. É preciso vivê-la  intensamente,
minuto a minuto,  merecê-la com isenção e muita disposição solidária. É preciso devolvê-la a si mesma, inteira, imaculada, recuperada, progressista e vitoriosa, e comemorar essa vitória como se fosse a sua vitória pessoal, sua própria coroação nesse império de beleza e de paz, um reino sem trono e no qual apenas a boa imagem da cidade  é rainha e soberana. A gente passa. Ela fica. E,  qualificada, se eterniza.

 Empolgado, me esqueci de escrever sobre onça e pios de macucos.  Fica para a próxima.    

COISA DE BAIANO por Fernando Volpi


Recentemente, um dos mais eloquentes exemplos de que o garimpo de talentos é fundamental em toda ação social veio,   exatamente, da Bahia,   onde aliás decidi instalar em 2009 a Oficina de Talentos (não é ONG),  que  na verdade é uma usina produtora de toda e qualquer manifestação artística, com ênfase para a música.  Só exijo disciplina e personalidade.  O resto é por minha conta.
Esse exemplo ao qual me refiro é de Salvador, de onde   embarcou para a Europa a Orquestra Sinfônica Juvenil da Bahia – OSJB – dirigida e regida pelo pianista e maestro Ricardo Castro,  cuja carreira acompanho há anos com muita admiração.  Os jovens talentos ESTIVERAM na Alemanha,  onde abriram em Berlim a 11ª edição do Young Euro Classics,   com ingressos esgotados desde abril.
 
  A orquestra é uma das pérolas do NEOJIBA (Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia), projeto do governo baiano inspirado no famoso “El Sistema”,  da Venezuela.  O mais importante nesse projeto é a oportunidade que cria para jovens talentosos das comunidades carentes,  agregando um fator social ao interesse musical.  No país de Hugo Chaves (mas não necessariamente na sua gestão),  “El Sistema”  resultou na Orquestra Juvenil  Simón Bolivar que recentemente encantou o Rio de Janeiro em memorável concerto, com o maestro Gustavo Dudamel ,   egresso do mesmo projeto  e hoje regente titular da Orquestra Filarmônica de Los Angeles,  nos Estados Unidos.

O conceituado jornal “Sunday Times”,  de Londres,  classificou os jovens instrumentistas baianos de “o orgulho do Brasil” após a apresentação da orquestra na capital inglesa no diálogo com um fenômeno pianístico chinês,  Lang Lang.
Antes de retornar à Bahia,   os meninos ainda tocarão em Genebra, no “Victoria Hall”,  na programação do “Musiques em été”. 
E foi também um talentoso violista baiano de 22 anos, Allan Resedá,  o indicado para símbolo do Festival  na Alemanha e de alcance mundial,  ilustrando a campanha de divulgação do evento. O rosto  de um talentoso baiano nas principais capitais do mundo.
Pela primeira vez, o Brasil recebeu convite para participar,  cabendo esse pioneirismo aos instrumentistas baianos da Orquestra Sinfônica Juvenil.  De onde? Da Bahia.  Tocando o que? Peças de Chopin,  Liszt,  Villa-Lobos e,  dentre outros gênios,  o compositor contemporâneo baiano, Wellington Gomes, que adiciona toques da rica e farta percussão morena à música orquestral.  Aliás,  o mix do repertório clássico tradicional com a música contemporânea e regional é a característica do “Young Euro Classics”,  aberto pelo escancarado e ensolarado brilho  baiano do talento dos nossos brilhantes meninos.  Meninos baianos.
Exemplos assim me estimulam  a continuar dando palestras e escrevendo sobre motivação,  criatividade, responsabilidade política de ação e direção social,  força interior,  solidariedade, excelência na aplicação dos talentos eficazmente desenvolvidos, atitude positiva e exemplar de quem tem o poder de melhorar o baiano para a Bahia,  e não simplesmente preparar um Estado para o baiano que ainda está para nascer.  Em todos os meus artigos – que são,  sim,   do interesse da coletividade -  está a experiência de uma pessoa que não admite o desperdício do talento, que não se conforma em ver os jovens a deriva esperando que o futuro venha a eles como  o respingo fecal  de algum urubu errante.  


Quando algo sai errado por aqui ou se um fato provoca reações de estranheza,  costuma-se dizer: “é coisa de baiano”.    Nada pode ser mais injusto que isso,  servindo como prova os aplausos da nata europeia  aos nossos infantes baianos,  da mesma forma que servem como prova as manifestações de talento com as quais esbarro a todo momento em minhas intermináveis andanças não apenas na Bahia,   mas concentradamente nela.  A questão é que o poder  está mais preocupado em melhorar a Bahia para os turistas,   quando devia estar focado em melhorar o baiano para ambos.   Passo a passo,  compreendido ou não,   apoiado ou não,    faço a minha parte.   Os pessimistas que vão comer caranguejos,  enquanto existirem é claro.  No mesmo tempo em que  os negativistas trituram com raros dentes  as peludas perninhas do nojento crustáceo,   os jovens  baianos talentosos e como tal prestigiados se deliciam com suculentos salmões nos melhores restaurantes do mundo.  E revelam uma Bahia que todos desejam,  mas que poucos ajudam a alcançar porque não alcançam nem a si mesmos.